Saindo do lugar-comum na CT Boucherie

O Claude Troigos (www.twitter.com/C_Troisgos) é um dos chefs mais influentes na culinária brasileira. Hiperativo, ele conseguiu elevar a cozinha carioca com seus excelentes restaurantes Olympe, CT Brasserie, 66 Bistro e agora a CT Boucherie.

Faltava à Dias Ferreira, rua incansavelmente citada aqui no Hungrygoat, um ar mais sofisticado ou uma proposta mais ousada que fugisse ao tradicional papai-e-mamãe, quer dizer entrada-prato principal-sobremesa. Nada contra, mas faltava. A Boucherie é minúscula, tem pouco mais de uma dúzia de mesas bem no início da rua. Claro, vive cheia então recomendo chegar cedo / ter paciência / reservar.

A diferença que falei na comida é que a carne, estrela principal da casa, é servida com um bem-sacado rodízio de acompanhamentos. Rola um ratatouille que vai fazer muita gente entender a reação do Anton Ego no filme “homônimo” ou batatinhas espertas, purês deliciosos… enfim, tudo do bom e do melhor pra valorizar a sua carne-espetecular-que-vale-o-preço.

O atendimento da casa segue a linha exemplar de todas as outras da “família” (O Thomas, filho do Claude é o atual chef do 66 Bistrô e mantém exemplarmente a tradição dos “Troisgoses”). Ah! Eu li que teve gente que não gostou muito do atendimento lá e andou colocando isso em blog… bem, eu recomendo mais humildade… BTW, o twitter do Thomas é: www.twitter.com/ttroisgos

É engraçado como um restaurante de carne, onde a bovina (da vaca, mooo, sabe?) geralmente leva larga vantagem (na preferência dos Clientes), consiga ter um prato de frango (galinha, chicken) tão gostoso, mas eu já sabia dessa desde a galinha sensacional da CT Brasserie. As sobremesas também seguem a linha da gostosa casa do Fashion Mall, onde o mousse de chocolate na colher é protagonista que merece Oscar.

Fico feliz de ver gente competente como o Claude e o Thomas crescendo ainda mais no Brasil. Eles elevam nossa cozinha e povoam nossa imaginação e fome. O Rio merece muito mais restaurantes desse nível. Pra quem quiser saber mais sobre os restaurantes da série, anota ai:

Olympe: marrravilhoso – Rua Custódio Serrão, 62 – Jardim Botânico
66 Bistrô: excelente – Rua Alexandre Ferreira, 66 – Jardim Botânico
CT Brasserie: é o Pastis carioca – Fashion Mall, São Conrado
CT Boucherie: pobre Buenos Aires – Rua Dias Ferreira, 636

Notas:

Ambiente: 4 / 5
Serviço: 4,5 / 5
Pratos: 4,5 / 5
Sobremesa: 4 / 5

Nota Final: 8,5 em 10  – como sempre, vale a pena.

Preço: $$$ e 1/2

Anúncios

Impressões imediatas sobre o CT Brasserie

Tudo que o Claude Troigos faz é bom? O CT Brasserie estava ótimo, todos os pratos excelentes, clássicos, mas com personalidade…

O lugar é bem legal, fica no último andar do Fashion Mall, estilo bem Pastis assim. Mesinha pequena lá é um charme e tem um vinho californiano (zinfandel) mt bom – aliás, pq os restaurantes brasileiros não tem nada de vinhos californianos?? – a sobremesa (mousse de chocolate e vinho do porto) é ponto alto, servido “na colher”  com cara de casa.

O CT consegue reunir o chique ao agradável e o confortável ao saboroso, então tem a minha recomendação.

Rio, Jardim Botânico, Olympe!

To request this post in english, please click here.

Olympe, Jardim Botânico

O Olympe é um dos mais conceituados restaurantes do Rio. Junto ao Roberta Sudbrack, pode ser considerado um ícone para a nouvelle cuisine brasileira, movimento caracterizado pela utilização de ingredientes tupiniquins em pratos clássicos. Fui ao Olympe com grande expectativa e, por incrível que pareça, ainda fiquei surpreendido.

O Chef Claude Troisgos é muito conhecido do público nacional através dos programas de TV. Infelizmente poucos terão a oportunidade de conhecer mesmo seu talento, pois o Olympe é pequeno e, como deveria ser, caro. O atendimento, feito por staff experiente e cordial, foi impecável do início ao fim. A pequena casa na rua escondida do Jardim Botânico é também um ótimo cenário para uma boa comida. A cozinha fica atrás de um painel de vidro e me chamou a atenção a calma do ambiente. Algumas vezes pensei que poderiam ser figurantes fingindo calma e que a cozinha de verdade era atrás, mas o chef Claude parece mesmo ser um boa-praça. E organizado.

O couvert e o amuse bouche foram corretos, sem frescuras, mas bem preparados. A comida veio perfeita, as duas pedidas da noite, o pato e a codorna eram diferentemente especiais, servidos com classe e tinha o gosto de sofisticação necessário. Sobremesa nota 10, para completar uma noite sem falhas.

Se você quer impressionar parecendo despretencioso, o Olympe é o lugar no Rio. A certeza da boa comida e ótimo atendimento deixam qualquer um bem tranquilo.

Notas:

Ambiente: 4,5/5
Serviço: 5/5
Pratos: 5/5
Sobremesa: 4,5/5

Nota Final: 9,5 – medalha de Ouro

 Preço: $$$$ e ½ / 5